sábado, 23 de fevereiro de 2013

Homem na Escuridão: Paul Auster


Comprei este livro quase às cegas, sem nunca ter lido nada do autor, nem sequer o ter "investigado", mas porque trazia de oferta um saco preto de pano autografado (sim, sim, eu sei que não é motivo para se comprar um livro, mas na altura arranja sempre desculpas para comprar mais um livro =P )e permaneceu até ontem nas minhas estantes à espera do dia em que fosse lido.

Achei-o estranho. Sem separação de capítulos, apenas alguns "intervalos" no tempo, e sem indicação de diálogos, nem com aspas, nem com travessões, o que me dificultou a concentração.
A escrita é fria, crua, sem pudor de usar as palavras mais duras para descrever a situação.
Quanto à história em si, e apesar das três personagens, August Brill, a filha Mirian e a neta Katya, que moram todas na mesma casa, assistimos a uma espécie de solidão e sofrimento individual que cada uma delas passa (ou passou).
Não desgostei do livro, mas na verdade não me senti presa à história, nem posso dizer que gostei particularmente da escrita.

Classificação: 2 Estrelas

Sem comentários:

Publicar um comentário